## Última Hora ##
Um momento...
, , , ,

Como a caça ao câncer está arruinando nossa compreensão dos tumores

Um editorial recente publicado nos primeiros dias do ano no Annals of Internal Medicine afirma que as campanhas preventivas de controle do câncer podem distorcer o nosso conhecimento sobre as causas do câncer (fatores de risco) e nossa percepção de como o câncer está generalizado.

Do resumo:
Os físicos entendem há muito tempo que o ato de observação pode influenciar o fenômeno observado.
Medir a pressão do ar em um pneu de carro reduz a pressão em si; A medição de tensão em um circuito altera a tensão.
Os médicos fariam bem em entender como a observação pode influenciar a aparente incidência do câncer e, da mesma forma, os aparentes fatores de risco para essa doença.
Que o número de casos de câncer diagnosticados é sensível ao grau de controle é um fenômeno conhecido para o câncer de próstata.
Considerando a notável volatilidade registrada na incidência de câncer de próstata nos últimos 40 anos nos Estados Unidos, nenhuma biologia tumoral conhecida ou processo carcinogênico pode explicar seu rápido aumento e rápido declínio.
Por outro lado, as notáveis diferenças na incidência, são o resultado da prática médica: o crescimento no uso da ressecção transuretral da próstata como terapia para hiperplasia prostática benigna; promoção do teste de antígeno específico da próstata: um "exame de sangue simples" que é frequentemente oferecido gratuitamente; um período de redimensionamento quando provedores de atenção primária e urologistas concordaram que a triagem não fazia sentido em homens com expectativa de vida limitada; e finalmente a reação às recomendações contra o rastreamento.


Os autores do editorial falam em particular dos tumores que são "dependentes de controle", comumente aqueles considerados "pré-cancerosos", de crescimento lento, ou seja, aqueles que geralmente não progridem ou não causam problemas de saúde ou reduzem expectativas de vida.
Alguns dos cânceres da tireóide, próstata e mama estão entre esses exemplos, e já falamos várias vezes aqui na revista 5LB:
- O câncer de mama diagnosticado por mamografia, ultrassonografia ou ressonância magnética têm mais risco de tratamento adicional do que aqueles relatados pela mulher que se auto examinou.
À medida que fazemos controles com tecnologias cada vez mais avançadas, capazes de encontrar tumores cada vez menores, encontraremos mais e mais deles, mesmo que não sejam perigosos e não se desenvolvam.
Isso não apenas representa um fenômeno evidente de sobrediagnóstico, mas leva à impressão falaciosa de que o câncer de mama é mais comum do que é. Já abordamos bastante esse tópico neste outro artigo, falando apenas sobre o câncer de mama, considerado o câncer "mais frequente": quanto mais controles preventivos melhoram, mais frequente é o câncer. [ESP]

- Outro exemplo relatado é o câncer de tireoide, um câncer muito comum: considera-se que as mulheres têm três vezes mais risco que os homens. No entanto, a taxa de mortalidade é quase idêntica entre homens e mulheres.
Portanto, é possível que as mulheres estejam muito mais sujeitas a controles do que os homens, com a consequente maior detecção de nódulos: as ações que são realizadas sob a premissa de que o fator de risco é efetivo e verificado, são “auto realizáveis" e corroborada com os dados.
O fator de risco do gênero sexual (a mulher três vezes mais em risco de câncer de tireoide) poderia ser mais aparente do que real. Neste artigo, tratamos do tratamento do câncer de tireóide: 90% das intervenções na tireoide são inúteis e prejudiciais.

- a intensificação dos controles por "categorias de risco", como acontece com os membros das famílias daqueles que tiveram câncer (devido à presunção de predisposição genética), leva à detecção de um número maior de cânceres.
Esse costume pode dar a impressão de que o histórico familiar é um fator de risco mais importante do que realmente é.
Aqui nossa análise em profundidade sobre a questão genética: gêmeos, geneticamente idênticos, inegavelmente diferentes [ITA].


Um dos autores, Gil Welch, professor de medicina no Dartmouth Institute for Health Policy and Clinical Research, especializado em sobrediagnóstico, explica em um artigo na STAT:

Se fizermos uma biópsia de homens sem histórico familiar de câncer de próstata, tanto quanto fazemos biópsias para homens que têm câncer de próstata, também encontraríamos muitos tumores entre eles. A história da família afeta a agressividade com que procuramos o câncer de próstata e a quantidade que encontramos em conformidade.
O fator de risco se torna uma profecia autorrealizável. 

Como quando um hipocondríaco obcecado por doenças acaba ficando sempre doente.

Os autores explicam que a triagem agressiva pode distorcer nossa compreensão geral do câncer, porque a busca pelo "diagnóstico precoce a qualquer custo" aumenta a detecção de tumores "dependentes do controle" (ou seja, esse aumento é devido apenas a políticas preventivas agressivas) e, portanto, dá a falsa impressão de um aumento na incidência de neoplasia na população.

Em outras palavras, a frequência e a intensidade dos controles, realizados em indivíduos saudáveis com base em hipóteses de risco, podem nos enganar não apenas sobre as próprias causas, mas também sobre a extensão do câncer.
Welch acrescenta: "Detectar cânceres que nunca apareceriam está arruinando nossa compreensão dos fatores de risco".

O PAPEL DA MÍDIA
Estamos constantemente sob a pressão das recomendações de "detecção a todo custo", às quais a "vacina a todo custo" é sobreposta, condicionada por famosos testemunhos, médicos, instituições e, acima de tudo, agências de informação.
A mensagem predominante é clara: "é melhor prevenir do que remediar" e "antecipar o quanto antes". Embora sejam mensagens cheias de boas intenções, com uma carga emocional importante, elas não são baseadas em evidências científicas e, muitas vezes, não transmitem adequadamente os riscos relacionados.
Muitas vezes relatamos manobras de propaganda [ITA] com pouca informação, que nos acompanham todos os dias ao precipício da cultura da "medicalização preventiva total". [ITA]

Otis Brawley, um dos autores do artigo e médico do comitê científico da American Cancer Society, entrevistado pela Health News Review, fala sobre o comportamento dos organismos de informação com relação ao tema da "detecção":
Nos anos 80 e 90, a mensagem que prevaleceu na mídia foi controles, controles e mais controles. Somente nos últimos 10 a 15 anos, alguns jornalistas começaram a questionar essa abordagem.
E essa questão também se refere a grupos de pressão e organizações que lidam com doenças específicas, devido ao seu compreensível conflito de interesses "emocionais". Eu sei, eu trabalho para um desses. Mas tanto os jornalistas quanto as organizações devem ser honestos e precisos quando falam em detecção. Porque as pessoas podem ser prejudicadas.

Vimos numerosos exemplos de como o entusiasmo excessivo pelo diagnóstico precoce nos precipitou em ações prejudiciais e deletérias, mesmo antes de termos evidências científicas.
Eu quero que as pessoas entendam que a decisão de fazer um teste de rastreamento não é um simples e óbvio "por que não?"

Brawley diz que muitas vezes ele foi acusado de ser anti-detecção ... ao qual ele responde:
Não sou anti- detecção. Sou contra a ênfase exagerada nela. Sou contra a confiança excessiva em algo com pouca evidência para apoiar.
Há algo de bom e há algo errado com a detecção. O bom é encontrado naqueles ensaios sólidos e randomizados, que mostram que as pessoas vivem mais quando estão sujeitas a controles preventivos, e não o contrário. Posso citar 11 estudos que mostram que o rastreamento em mulheres com mais de 50 anos reduz o risco de morte.
Mas para a próstata, esse é um assunto muito mais difícil de sustentar. E no caso da tireoide, não temos ensaios randomizados para apoiar a detecção. Estamos no extremo oposto.

Welch e Brawley acreditam firmemente que o rastreamento deve ser baseado em testes rigorosos de eficácia. Para alguns tipos de tumores existem testes, para outros eles são completamente ausentes.
A mídia deve fazer um trabalho melhor de comunicar essas incertezas, evitando os frequentes anúncios hiperbólicos que estão mais enraizados no fanatismo científico do que no empirismo científico.
Se olharmos mais adiante, devemos prestar atenção ao fato de que o rápido avanço tecnológico provavelmente empurrará essa obsessão [ESP] de "prevenir o mais rápido possível" ao paroxismo; e nos perguntamos: o que é realmente útil para a saúde?
Sem tomar nada como garantido.

Se você gostou, siga a página aqui



Equipe de tradução e direção

5 Leis Biológicas Brasil

Siga o 5LB Magazine