## Última Hora ##
Um momento...
, ,

Clique aqui e pare de usar a palavra 'Ciência' de forma inadequada

Mais um artigo sobre os problemas da epistemologia em nosso século, que se tornam insustentáveis quando se trata de ciência médica? Sim.  Evidentemente, existe a necessidade de um.

Há inúmeros na Revista 5LB, alguns deles já condensando efetivamente o meu pensamento e de uma parte da "comunidade científica".

Em particular, retomo e aprofundo a introdução deste artigo, para esclarecer em que sentido acho que devemos parar de usar a palavra Ciência quando falamos de medicina:

Esqueça a "ciência", pois na medicina ela não existe. "A ciência diz" - uma proposta que carrega "in nuce" ENTÃO É CERTO E VERDADE - é na verdade uma expressão que nada mais pode ser do que o preâmbulo de um dogma, um ato de fé que não tem nada de científico. Por várias razões:

1- MEDICINA É ARTE

Primeiro de tudo porque a medicina não é uma ciência exata que pode circunscrever tudo dentro de espaços mensuráveis, definidos e sempre os mesmos, mas é principalmente uma arte humanista de relacionamento entre as pessoas.

Eu não sou médico, mas pessoalmente gosto mais de olhar para esta profissão como a atividade de um artista ou de um artesão especializado, do que como um "cientista" popularmente conhecido como uma máquina de laboratório.

Além disso, há uma tendência a misturar perfeitamente a esfera clínica (a do tratamento concreto das pessoas) com a da pesquisa, que produz diretrizes e protocolos aos quais os médicos se referem de acordo com sua consciência.

Mesmo fazendo as distinções apropriadas, é impróprio abordar a pesquisa médica à idéia de uma ciência exata e ao método galileu (com a presunção matemática granítica de que são veículos), abordagens possíveis (mas já críticas!) com assuntos como matemática e física.

2- OS PROBLEMAS SISTÊMICOS DA PESQUISA MÉDICA

O clássico adágio "a ciência o diz", abusado pela mídia e por aqueles que o empunham como cetro de poder (ainda mais quando é dito em tom definitivo) não tem correspondência com a realidade dos fatos.


Na verdade, estamos falando de um campo no qual conhecemos a eficácia de apenas 11% de nossas ações. Ou seja, apenas onze por cento do que fazemos em medicina sabemos que funciona (Fonte: Evidence Handbook 2011-2012).

Para ser honesto, se há algo que "a ciência diz", seria portanto: na verdade só sei um décimo do que pretendo saber. Como é possível um percentual tão baixo?

- Primeiro porque a maioria das teorias que explicam os fenômenos biológicos (isto é, o "como" as coisas funcionam e a etiologia) são baseadas em hipóteses, parcial ou totalmente não verificadas.

Sejamos francos: ainda não entendemos muito sobre como a vida e os seres humanos funcionam. É exatamente por isso que tantas teorias diferentes podem coexistir, assim como as  5 Leis Biológicas: porque existe uma enorme lacuna de conhecimento a ser preenchida.

Se "a ciência realmente dissesse" com toda essa confiança, não haveria espaço para discussão.

- Porque os problemas sistêmicos da pesquisa em geral, e da pesquisa biomédica em particular, são colossais e se entrelaçam com os valores sobre os quais nossa civilização atual está construída.

Menciono apenas algumas das mais recentes e conhecidas "explosões" no mundo da pesquisa:

Richard Horton, editor-chefe da Lancet, uma das revistas líderes mundiais em publicação científica, diz: "A questão sobre ciência é clara: grande parte da literatura científica, talvez metade dela, é provável que seja simplesmente falsa.

Atormentada por estudos com amostras pequenas, resultados minúsculos, análises exploratórias falaciosas e conflitos de interesse flagrantes, juntamente com uma obsessão em perseguir tendências da moda de importância duvidosa, a ciência tem tomado o caminho da obscuridade".
Fonte: Lancet


Você pode entender que, dito pela Lancet, faz cair cada muleta aos dogmas como "a ciência o diz porque é certificado pelas mais prestigiosas publicações científicas revisadas por pares".

Devemos humildemente voltar com os pés no chão e as universidades devem começar a levar a sério o ensino da Medicina Baseada em Evidências que, ainda hoje, ainda está faltando.

"Simplesmente não é mais possível acreditar na maioria das pesquisas clínicas que são publicadas", diz Marcia Angell, "ou confiar no julgamento de médicos de confiança ou em diretrizes confiáveis".
Não tenho prazer nesta conclusão, a qual alcancei lenta e relutantemente durante minhas duas décadas como editor do New England Journal of Medicine".
Fonte: NYBooks

Esta contradição é comum entre os praticantes: existe um abismo entre o que é estudado academicamente e o que acontece na realidade. São dois mundos, e somente a experiência de longos anos, como conta Marcia Angell, torna possível trazer a fratura à consciência.

Aprendi a reconhecer essa confiança ostensiva, muitas vezes excessiva e até arrogante, característica daqueles que estudaram muito e talvez estejam apenas começando; embora não seja incomum, por outro lado, aprendi a reconhecer essa desilusão sábia e a abertura de espírito característica daqueles que têm longa experiência no campo, conhecendo as infinitas nuances fora de controle.

A PESQUISA BIOMÉDICA É EM GRANDE PARTE IRREPRODUZÍVEL

Se é verdade que temos uma montanha de experimentos imperfeitos e não confiáveis, significa que supomos ter respostas, mas, na prática, sem qualquer valor clínico, pois elas não podem ser repetidas em pacientes reais.

De fato, a prerrogativa de uma ciência exata seria sua total reprodutibilidade.

A NATURE (outro nome prestigioso para publicações científicas) produziu uma das pesquisas mais famosas e minuciosas do mundo da pesquisa: os pesquisadores estão bem cientes de que a maioria das experiências publicadas não são realmente reprodutíveis.
Estar consciente disso é suficientemente importante.

Mas quantos já tentaram? O fato é que a reprodutibilidade é um postulado que deve ser garantido pelo sistema da "comunidade científica", então vamos chamar isso de preconceito

A incapacidade de compreender nossos preconceitos contribuiu para uma crise de confiança em torno da reprodutibilidade dos resultados publicados, diz o estatístico John Loannidis [Fonte: Nature], co-diretor do Centro de Inovação em Metapesquisa da Universidade de Stanford em Palo Alto, Califórnia.

O problema vai muito além dos casos de fraude. No início deste ano, um grande projeto tentando replicar 100 estudos de psicologia só conseguiu reproduzir pouco mais de um terço deles [Fonte: Nature].

Em 2012, pesquisadores da empresa de biotecnologia Amgen em Thousand Oaks, Califórnia, relataram ser capazes de replicar apenas 6 dos 53 estudos de referência em oncologia e hematologia [Fonte: Nature].

E em 2009, Loannidis e colegas descreveram como foram capazes de reproduzir completamente apenas 2 dos 18 estudos de expressão gênica baseados em microarrays [Fonte: Nature].


O problema da reprodutibilidade é extremamente vasto e também toca na questão do viés de publicação (ou seja, a tendência de publicar apenas novos estudos porque os estudos de reprodutibilidade são considerados desinteressantes), mas não iremos mais adiante.


Para aqueles que ainda não tiveram o suficiente sobre estes tópicos, The Atlantic tem a capacidade de ser muito convincente: aqui um artigo sobre o trabalho de Loannidis, mentiras malditas e ciência médica.

Percebo que muitas vezes recolho informações deste tipo em reação a uma condição paradoxal peculiar a nossa era histórica:

- por um lado, temos uma imagem das coisas que é como descrito acima, incrivelmente incerta e precária;
- Por outro lado, temos uma frente de mídia diária que, constrói a narração de uma bela fábula.

Em parte para manter a melhor ordem social possível, em parte para facilitar o maior "cumprimento" dos pacientes com o menor esforço político, em parte porque estamos em uma era de dependência da tecnologia ... vivemos em uma bolha de fé religiosa e expectativas artificiais da "Ciência" que, em proporção à incerteza real, é tragicômica.

A tal ponto que as mesmas revistas científicas de prestígio, os templos de revisão pelos pares, aparecem para muitos como produtores loucos de "Fake News".

Tudo bem, eu entendo.
Entretanto, para aqueles dispostos a olhar, é assim que as coisas são.
Dentro de alguns anos este tipo de artigos (juntamente com estes senhores que mencionamos) pode parecer o trabalho de um louco, e então teremos que nos lembrar deste contexto tão contraditório.

A medicina do futuro será mais transparente e mais "científica"?
Não podemos saber; a precisão das leis biológicas, tenho certeza, contribuirá para isso.  O que eu sei é que hoje está totalmente deslocada a abordagem da palavra "ciência" entendida como "certos fatos experimentais", para o mundo da pesquisa biomédica.


Vamos chamá-lo de pesquisa, experimentação, matéria, arte ou artesanato, como quisermos... mas, por enquanto, vamos deixar Galileo em paz.

Sejamos claros, a palavra ciência não é em si problemática, se não dentro do debate secular sobre sua definição: a contradição surge em nossa época por causa da crescente deriva eclesiástica, que é retroalimentada porque se torna um instrumento no exercício do poder.





Equipe de tradução e direção

5 Leis Biológicas Brasil

Siga o 5LB Magazine