## Última Hora ##
Um momento...
, , , ,

As 5LB não alteram o modo de escolha de um tratamento: A posição

Há alguns dias, o site da Salute Attiva Onlus publicou um artigo meu intitulado Um exemplo concreto de escolha terapêutica ativa. [ITA]
É a história verdadeira de uma cidadã americana, Rosalind, que nos diz como pôde assumir total responsabilidade pela escolha, com relação ao tratamento que deve enfrentar para tratar uma "doença", fazendo sua própria escolha.
Não é um feito muito comum, porque muitas vezes o que diz respeito à saúde é vivido com o peso esmagador do inevitável, do já decidido protocolo, do predestinado.
Convido você a ler a história neste link antes de continuar lendo.

A Rosalind toma medidas para verificar, em primeira pessoa, todas as informações científicas disponíveis sobre seus sintomas, com uma atitude ativa e responsável, e faz isso "folheando" os arquivos da Cochrane e fazendo perguntas precisas e específicas aos seus médicos.
Não é por acaso que as preciosas revisões de Cochrane são frequentemente propostas na revista 5LB Magazine [ESP] para oferecer acesso às mais recentes evidências científicas, que infelizmente em muitos temas não são bem conhecidas ou seguem um lento processo de aquisição pelas instituições.

Rosalind não conhece as 5 leis biológicas e faz um caminho de escolha terapêutica orientando-se, com uma análise crítica e lúcida, dos tratamentos disponíveis.

A pergunta: se eu conhecesse as leis biológicas, teria escolhido outra opção?
Talvez sim talvez não; Mas, no final, não nos importamos.

Por que não nos importamos?
Por dois motivos
Primeiro, porque os tratamentos clínicos testados são os mesmos, sejam eles do paradigma convencional ou do paradigma 5LB; Em qualquer caso, em um momento posterior e superando a urgência, uma terapia causal poderia ser adicionada.
Segundo, porque a maneira como Rosalind fez o que fez é exatamente o que é necessário, o que não depende de crenças, conhecimento ou cultura de fundo.
Não é importante o que ela sabia ou o que ele acreditava, mas de que posição Rosalind escolheu.
Por estas razões, o seu processo de tomada de decisão não teria sido diferente se fosse baseado no conhecimento de leis biológicas ou outros modelos de interpretação.

Como você pode ver na história, não se trata apenas de avaliar o tratamento que fornece as melhores estatísticas de sucesso: é, em vez disso, escolher o tratamento mais apropriado para mim e também para mim naquele exato momento da minha vida.
Da mesma forma, não se trata de ponderar entre uma visão e outra da medicina, mas refletir sobre o que me dá mais força e o que me deixa com menos força.
Portanto, não estamos falando de uma avaliação de algo externo, mas de uma exploração interna que observa a POSIÇÃO da qual eu escolho.
Registre essa palavra em sua memória, você não precisará de outra.

Se eu escolher o melhor que puder de uma posição de força, o que eu escolho é a coisa certa para mim.
Preste atenção ao final da história, à frase que Rosalind diz espontaneamente: "Eu me sinto preparada, armada com toda a informação que preciso e, portanto, em boa posição para tomar uma decisão".

Uma posição de força, na qual ela sente que é responsável por si mesma e que escolhe o que é melhor para ela.

Uma escolha não feita por convenção, não por chantagem (indecências como "você deve confiar naqueles que sabem sobre essas coisas", "se você não fizer o que eu digo é sua responsabilidade"), não escapando do medo delegando a escolha a outra pessoa, não por um bom conselho dado por alguém autorizado, não para agradar a família …
Aquela mulher escolheu não por imposição, mas por posição: com sua força, em um movimento intencional que vai de dentro para fora, e fez o melhor que pôde.

Certamente, o conhecimento das leis biológicas pode expandir dramaticamente o leque de escolhas, mas o "conhecimento de muitas coisas" não é o foco em questão.
Nós sempre dissemos: as coisas não dependem do que acontece ou do que você pensa e do que você faz, mas da percepção que você tem.
Nada é melhor em absoluto, porque tudo está estritamente relacionado com a vida e a percepção da pessoa, que são únicas, imprevisíveis e não homologáveis (como pode ser visto na história): portanto, a "escolha certa" só pode ser relativa, isto é, alinhada com o profundo sentimento pessoal.
Para exemplificar: mesmo com o domínio total das 5 leis biológicas, sendo capaz de reconhecer a sensibilidade de um nódulo mamário e a incongruência do conceito de "maligno", a opção mais forte para uma mulher poderia ser a remoção cirúrgica.

É por isso que as guerras tribais que transformam a medicina em "oficial" e "alternativa" [ESP], a velha e a nova são completamente ilógicas, ruinosas e repreensíveis.

É importante estudar e verificar as 5LB e eu convido todos a fazerem isso com calma, porque leva muito tempo para integrar pacientemente uma nova maneira de pensar que abre as portas para outras e grandes possibilidades.
Mas quando você tem que enfrentar escolhas urgentes para a saúde, a busca frenética por conflito e "consciência" é estéril e, portanto, perigosa, porque certamente não protege as coisas e pode pôr em risco a vida.

A escolha da intervenção não pode ser expressa em termos de "o que resolverá a doença?".
Em vez disso, em primeiro lugar, em termos da posição interna: "Qual opção me faz sentir mais em minha força?".

Quando alguém se coloca firmemente "em sua força", podemos entender que essa posição é a única que ele precisa para deixar de lado o "prófugo" e, portanto, resolver a grande maioria dos problemas e complicações clínicas.

E é nesse entendimento sensível e sutil que as cinco leis biológicas marcam a diferença real no gerenciamento da urgência.

Se você gostou, siga a página aqui



Equipe de tradução e direção

5 Leis Biológicas Brasil

Siga o 5LB Magazine