## Última Hora ##
Um momento...
,

Tempo extra-ordinário para introspecção e transformação pessoal

Nossas vidas foram traçadas em cima de rotinas que nos atrasaram em nosso movimento de crescimento pessoal e social.

Rotinas com as quais passamos a desfrutar, ou pelo menos as fazemos parecer "reconfortantes", situações na vida familiar, trabalho, relacionamentos insatisfatórios e desconforto psicofísico (doenças) em alguns casos até dramáticos. Se formos honestos conosco, nunca tentamos enfrentá-los sob um poderoso impulso interno de mudança; talvez nos limitemos apenas a pensar "seria bom se ...", mas nada fazemos: a automação diária nos leva de volta à nossa zona de conforto e assim seguimos…

ITÁLIA INTEIRA NA QUARENTENA PELO CORONAVIRUS

Após as súbitas crises de mudança em nossas vidas (e são apenas 15 dias!), de repente nos encontramos catapultados para um dos bens mais preciosos: o TEMPO e, voluntariamente ou não, para chegar a um acordo com nós mesmos.

Isso é mais assustador do que o vírus e do que o regime de exceção criado.

Esse medo do VAZIO e do DESCONHECIDO é forte, e é por isso que tentamos de todas as formas possíveis preencher os espaços do dia com algo a mais para fazer: o vazio é assustador, corremos o risco de conhecer todas as nossas feridas que durante anos em nossas vidas, tentamos varrer para debaixo do tapete.

Tenha cuidado, não deve haver julgamento sobre isso, caso contrário frustramos nossos esforços.

Faz parte do comportamento humano porque é natural tentar evitar dores profundas. Mas hoje é como se um hóspede desconhecido tivesse entrado em nossa casa, de repente ele levantou o tapete e ... Tac! ... todas essas feridas estão se manifestando.

UMA OPORTUNIDADE DE AUTO-OBSERVAÇÃO

O que vamos fazer agora?
Enrolamos o tapete e inventamos coisas novas a fazer, ou aproveitamos a oportunidade para começar a olhar para aquele "eu" assustado que acumulou poeira ao longo dos anos?

Não é uma escolha exclusiva (nem isso nem aquilo), mas vamos fazer uma escolha inclusiva (e isso e aquilo): há um tempo para FAZER as coisas e manter-se praticamente ocupado, e há um tempo para ESTAR com nossas emoções e nos observar em nossas reações instintivas para evitar dor.

Nesse último exercício, um dia, diante de um sequestro emocional muito forte, voluntariamente me coloquei no sofá e me forcei a ouvir esse sofrimento dentro de mim.

Depois de alguns minutos (acho que 2 ou 3), vi-me carregando a máquina de lavar e aspirando para não entrar em contato com essa dor.

Era inconsciente, instintivo, eu nem percebi que me levantei do sofá.

Na verdade, eu não decidi voluntariamente, era um automatismo, uma rotina para escapar da dor ... é tudo a mesma coisa, de fato às vezes é indispensável. O importante é que eu pude reconhecê-lo e observá-lo ... e garanto que o sofrimento começou a diminuir consideravelmente.

Esse exercício pode ser um começo para nos conhecer melhor, observar, como se fôssemos um espectador que assiste a um filme, que vê como reagimos à vida ... e eu lhe digo que às vezes nos zangamos conosco, outras vezes somos movidos pela ternura de nós mesmos e outras vezes continuamos sorrindo porque nos achamos engraçados, desajeitados e ridículos …

Se tomarmos consciência de nossas ações, podemos causar mudanças em nossas vidas na direção que queremos e de acordo com nosso plano de vida.

Existem muitas maneiras de nos ouvir, cada uma busca a sua, mas lembro que é preciso um ato de VONTADE que é conscientemente escolhido e decidido a cada vez.

Esse ato de vontade é o passo mais difícil e, às vezes, você pode precisar da ajuda de uma pessoa externa para nos guiar nos primeiros passos do exercício.

Conhecer a nós mesmos pode ser intrigante. Vamos nos surpreender, porque por trás de cada ferida, cada dor, estão nossos talentos e dons, que nem sempre estamos cientes de que temos ...

Eles são úteis para nós, mas, acima de tudo, são úteis para o mundo, porque quem sabe quantos temos, mas por medo, não deixamos que eles se expressem.

Isso para mim é pecado.

Que pecado ... ♥ ️

Imagine a POTENCIALIDADE que teremos quando tudo isso acabar e sairmos novamente.



Equipe de tradução e direção

5 Leis Biológicas Brasil

Siga o 5LB Magazine