## Última Hora ##
Um momento...
,

Como um carrasco que amarra o laço

Passei a me deparar com personalidades fortes, determinadas, práticas, pessoas resolutas em muitas áreas das suas vidas... exceto uma: a sua própria saúde.

Nessa área eles não querem entrar: ficam firmes, não têm tempo para adoecer e se têm febre ou desconforto continuam com suas atividades encobrindo os sintomas com algum medicamento comprado sem receita médica na farmácia.

Mas se o desconforto se torna um diagnóstico grave, no qual se percebe que a vida está em perigo, então todos reagimos de forma semelhante: independentemente do temperamento que nos distingue, somos transformados, nos tornando irreconhecíveis.

O corpo reflete instantaneamente a percepção de perda, impotência, desespero visceralmente enraizado. Ele se enrola sobre si mesmo, impressiona menos, o olhar se perde.

O medo toma conta e isso leva à aniquilação de todas as personalidades que caracterizam o indivíduo em suas rotinas diárias.

O ser humano torna-se essencial, surge apenas a parte instintiva, biológica, despojada de qualquer outra superestrutura.

O animal assustado aparece, preso contra à parede, sem qualquer rota de fuga.

Mesmo os mais robustos e tenazes tornam-se pequenos, vulneráveis, indefesos, com atitudes e movimentos alterados, não mais reconhecíveis como próprios.

Ele se agarra a si mesmo, incapaz de tomar as decisões mais elementares, porque cada decisão envolve um esforço insustentável. Diante da paralisia sensorial e intelectual, ele não é capaz de sentir como é, mas precisa ser dito; ele não é capaz de discernir o que é melhor para si mesmo, mas confia, sem nenhum sentido ou espírito crítico, nas decisões dos outros.

Que poder tem o medo?

É como o nevoeiro que cobre todos os pontos de referência.
Tem a capacidade de colocar em apuros até mesmo o ser humano mais astuto, aquele que encontra, em todas as circunstâncias adversas, a melhor estratégia e saída. Com a doença parece não haver saída, ele não existe, está petrificado, imobilizado, encalhado

O medo é o carcereiro mais temível que o acompanha lentamente até à forca, o carrasco impetuoso que enrosca o laço.

O medo de se sentir gravemente doente mata inexoravelmente.

Poder ver a doença de outro ponto de vista, como o oferecido pelas 5 Leis Biológicas, solta as correntes, permite-nos ver um horizonte mais amplo e descobrir que temos tempo.

Quando nos permitimos mudar nossa perspectiva observando ¨el peligro¨ ou ¨el enemigo¨, e especialmente quando conseguimos não nos identificar mais com ele, podemos individualizar uma fenda em nosso sistema de crenças e convicções, uma fenda em direção a uma nova saída... e assim sentir o vínculo se soltar.




Equipe de tradução e direção

5 Leis Biológicas Brasil

Siga o 5LB Magazine