## Última Hora ##
Um momento...
, , , , ,

Pressão arterial - hipertensão e hipotensão

Premissa: a etiologia das chamadas doenças (isto é, a causa das reações fisiológicas especiais do corpo) é um tema que, numa primeira abordagem das 5LB, chama bastante nossa atenção. Além de compreender as causas, é essencial aprender a familiarizar-se com a função dos tecidos envolvidos e a posição do organismo nesse processo. Esta abordagem adota os detalhes adquiridos na Escola de Formação Profissional 5LB, que por si só não busca provar nada (não neste contexto), mas sim fornecer instrumentos precisos que permitem a qualquer um verificar esses fenômenos. Para iniciantes, será necessário ler, pelo menos, as 5 Leis Biológicas.

A pressão arterial é um valor que é quase sempre é levado em conta nos diagnósticos e, de fato, pode dar indicações muito importantes sobre os processos biológicos em andamento.
Como em muitas outras ocasiões, quando se trata de etiologia, também aqui vamos falar de dogmas e crenças mais ou menos fundamentadas cientificamente.
No passado (recentemente as coisas mudaram um pouco) a pressão arterial era comumente associada como um fator de risco importante, especialmente cardiovascular (como AVC e Infarto), que frequentemente vão com outros fatores de risco como o colesterol, que foi tratado anteriormente.[ITA]
À luz das leis biológicas, fica evidente a causa de não correlação desses fenômenos: analisemos então quais podem ser os casos mais comuns de desvio dos valores "normais" da pressão arterial.

Para começar, a pressão chamada "máxima" é a pressão sistólica, aquela que o coração imprime nas paredes das artérias com a contração do músculo ventricular. A sistólica é, portanto, muito dependente da força com que o sangue é bombeado, mas também do grau de elasticidade e da resistência das artérias: resistência das artérias: se você pensar na bomba de encher pneu da bicicleta, se não está inserido no pneu, o ar não encontra nenhuma oposição e sua pressão é muito baixa ou quase nula.
Se, por outro lado, a extremidade é fechada com um dedo ou colocada na válvula do pneu, o ar encontra uma oposição, a pressão dentro da bomba aumenta e o ar encontra um lugar para sair.
O mesmo mecanismo acontece com o sangue, que aumenta sua pressão com base na resistência encontrada nas artérias e nos capilares mais finos e mais distantes.
Uma vez que atinge os capilares, o sangue troca oxigênio e extrai dióxido de carbono das células para retornar ao coração através das veias, com uma pressão de retorno diastólica (chamada mínima), que depende diretamente da sistólica.

Os valores considerados “normais” são os clássicos 120-80, mas isso não significa que aqueles que se desviam desses valores estejam "doentes", e cada organismo pode viver tranquilamente com seu regime particular. Mas há alguns casos notáveis que podem ser observados:

PRESSÃO ALTA - Hipertensão
Se as duas pressões são por um período maior ou menor em 20-25 pontos do que o habitual, é provável que você esteja simplesmente em uma fase simpática ou vagotônica (veja a segunda lei biológica): na fase ativa, a vasoconstrição é uma oposição que aumenta a pressão, enquanto que na fase PCL, a túnica muscular dos vasos relaxa aumentando o lúmen vascular e aumentando a elasticidade da parede (vasodilatação).
Caso típico de quem vai à farmácia para tirar a pressão em um estado de angústia (fase ativa e vasoconstrição), revelando 150 no máximo, e depois quando relaxa tem 125.

Outra situação que causa o enrijecimento das artérias e, portanto, a oposição ao fluxo sanguíneo com o consequente aumento dos valores pressóricos, é o processo biológico relativo à túnica muscular dos vasos, dirigida pelo tronco encefálico (musculatura lisa).
Quando o organismo está em uma condição onde a percepção visceral é "meu coração não é suficiente", "meu coração não o alcança" (por exemplo, porque é "doente"), a reação orgânica sensata é o reforço da túnica muscular que reveste as artérias.
O endurecimento dos músculos da parede dos vasos acelera a circulação, aumentando como consequência os valores de pressão. Como normalmente são casos que persistem nessa condição por vários anos, o espessamento é progressivo e se torna definitivo, portanto a pressão permanece constantemente alta.
Não se surpreenda se uma pessoa definida como “cardiopata”, com o passar do tempo, perceber que sua pressão aumenta inexoravelmente e permanece alta. E que quanto mais alta e mais preocupada mais intensamente reage a túnica das artérias.
A pessoa viverá com uma pressão maior comparada à sua juventude, com vasos mais fortes e resistentes e nenhuma complicação em particular.

Quando o máximo sobe para 160-170, é muito provável que haja um processo de glomérulos dos rins (origem neo-mesodérmica), que respondem ao chamado "conflito líquido" (choque inesperado na presença de água, sangue, etc ...).


PRESSÃO BAIXA - Hipotensão
Como nos casos de Pressão Alta, vimos que uma diferença de 20-25 pontos pode depender de uma fase vagotônica com sua respectiva vasodilatação.

Abaixo desses níveis, em vez disso, é um processo do ventrículo esquerdo, com o qual já lidamos no texto que fala de sintomas do coração.
Se, então, uma pessoa tiver uma pressão quase constante de 60 a 40, podemos estar certos de estar na presença de uma solução em suspenso de miocárdio.
Mesmo com valores tão baixos, o organismo permanece sem maiores problemas e podem acontecer momentos de “tontura” quando a pessoa está sentada e levanta de repente.
Uma pressão constantemente baixa por anos, com seus pequenos pontos de recorrência diluídos pela solução suspensa, não tem força para causar um infarto relevante.
Seria aconselhável, por outro lado, ter sob controle médico aqueles que inesperadamente baixam a pressão (mais do que aqueles que sobem, como é comumente feito).


Para aplicar esses conhecimento é necessário precisão. Portanto é importante não autodiagnosticar e não modificar o tratamento medico, mas também observar o processo apenas para fins didáticos.
A psicologização a que estamos acostumados nos faz pensar que a consciência e a boa vontade são suficientes para mudar as coisas: pelo contrário, a biologia responde apenas a ações concretas decorrentes da disponibilidade da pessoa para fazê-lo.
Devido a pluralidade de variáveis é, no entanto, impossível e desrespeitoso para o paciente, mesmo na presença do melhor médico ou especialista, para fazer o diagnóstico correto e completo on-line.

Se você gostou, siga a página aqui



Equipe de tradução e direção

5 Leis Biológicas Brasil

Siga o 5LB Magazine