## Última Hora ##
Um momento...
, ,

Os melhores analgésicos para acompanhar o PCL

Quais medicamentos de venda livre (disponíveis sem receita médica) são mais eficazes para conter a intensidade de um PCL e, portanto, reduzir a dor?

Segunda Lei Biológica

Uma revisão sistemática recente da Cochrane avaliou, com alto grau de evidência, a eficácia de 21 medicamentos não esteróides para dor, disponíveis comercialmente em diferentes fórmulas e doses.
Foram analisados estudos sobre a dor após extração do dente do siso, considerado representativo quando se falar de dor diária de moderada a intensa.

O analgésico mais eficaz para apoiar uma PCL dolorosa é o ibuprofeno + paracetamol associado, em doses baixas (existem produtos que os combinam na Itália), enquanto que tanto a aspirina quanto o paracetamol (tomados isoladamente) também são bastante ineficazes.
As setas vermelhas indicam as combinações de ingredientes ativos disponíveis para venda no país em que a pesquisa foi realizada, no Reino Unido.



Cochrane demonstra, com esta revisão, que temos medicamentos comuns e baratos para aliviar a dor que pode ser excessiva e debilitante durante uma PCL profunda, com atenção especial à dor de dente, entorses e distensões.
É muito interessante notar que o paracetamol + ibuprofeno e ibuprofeno com ação rápida deram resultados satisfatórios, especialmente em doses baixas.
Também foi observado que beber uma xícara de café aumenta ainda mais o efeito analgésico: como o café é simpatotônico, o efeito na curva bifásica é aumentado.
Contudo, à luz do 5LB, devemos considerar que a dor da PCL-A é diferente da dor do PCL-B e que os medicamentos são muito menos eficazes na primeira fase e muito mais na segunda fase: esse é um fator importante para observar, mas esta pesquisa não pôde destacá-lo.

Houve ainda menos efeitos colaterais com o ibuprofeno e o paracetamol em comparação com o placebo [ESP] (um tratamento simulado).
Os resultados sobre os efeitos colaterais podem ser fortes quando os analgésicos são tomados em doses mais altas e por períodos mais longos do que os considerados na revisão.

Esses estudos específicos não investigaram sintomas muito comuns, como enxaquecas e dor menstrual, de modo que as considerações não são aplicáveis: na verdade, os estudos são frequentemente realizados em dores pós-operatórias, que não são as mesmas do edema de um programa SBS (como uma dor nas costas comum).
Infelizmente, até 2015, quando esse texto foi escrito, a evidência da eficácia de medicamentos não esteróides nesse tipo de dor é muito baixa devido à falta de pesquisas bem estruturadas.
As considerações aqui apresentadas também não são válidas para a dor crônica, ou seja, para aquelas curvas que chamamos de "humanas", que mantêm o organismo em uma PCL suspensa por um longo tempo: é muito provável que os medicamentos tenham algum efeito, mas sabemos que Intervenções sintomáticas não podem ser resolutivas.
Por outro lado, é verdade que os medicamentos são ferramentas muito confortáveis que simplificam nossas vidas, mas também é verdade que a dor é um recurso que deve ser respeitado e não combatido.
Quando enfrentamos dores crônicas, de fato, não estamos travando uma guerra contra algo externo: em vez disso, nos encontramos em uma batalha, sem saída, com nós mesmos. Leia sobre a dor como recurso e sobre o tratamento da dor crônica.
É essencial e necessário, hoje mais do que nunca, recuperar o valor biológico da dor.

As informações que a Cochrane nos oferece são muito úteis para a vida cotidiana, tanto para o paciente quanto para o médico: mesmo que sejam vendidos medicamentos sem receita médica (na Itália alguns deles exigem), eles não são balas e é bom usá-los com o conselho do médico.
De fato, essas informações, como todas as obtidas com as evidências mais recentes, não são para "automedicação", mas devem ser tomadas como um elemento sólido de avaliação quando precisamos fazer uma escolha terapêutica (sintomática). Levando nossa pesquisa ao nosso médico, como neste texto, podemos fazer perguntas e explorar ativamente as possibilidades certas para nós.
A informação nos serve, em última análise, mais do que para "curar", mas para começar a experimentar algo com o qual estamos pouco acostumados, mas que, com o conhecimento dos 5LB, é diferente: adquirir uma posição ativa nas escolhas que afetam nossa saúde. [ITA]

Se você gostou, siga a página aqui



Equipe de tradução e direção

5 Leis Biológicas Brasil

Siga o 5LB Magazine