## Última Hora ##
Um momento...

A família natural e a questão espinhosa da adoção de menores

Tópico delicado, pois é de domínio da ética e da moralidade. Tento destacar aqui um princípio que considero significativo, mas infelizmente no debate público continua a passar despercebido de forma culpada.
As leis da natureza são fascinantes porque são referências absolutas.
A natureza sempre escolhe o caminho mais curto com o menor gasto de energia.
Neste planeta e nesta era astronômica, um objeto sempre cai em direção ao chão e não em direção ao céu.
Neste planeta e nesta era astronômica, uma criança nasce 100% do tempo de um pai e uma mãe, não 99% com algumas exceções: 100% do tempo.

Uma criança sempre tem um pai e uma mãe atrás dele, não é um tópico de discussão.
Mesmo quando é concebido "in vitro", há sempre um pai doador e uma mãe, ou uma mãe doadora e um pai.
Eles são os "pais", ou aqueles que o geram, e eles não são outros.

Este princípio, gostemos ou não, é biológico e inviolável. Então, há sempre "pais", e depois pode haver "cuidadores", "adotantes", "guardiões", "guias" que acompanham a criança em crescimento que não foi capaz de conviver com aqueles que a geraram.
Usar palavras apropriadas é essencial, pois cada palavra tem um forte conteúdo hipnótico.
"Você foi confiado a eles" e "esses são seus pais", e sempre será.

Para acomodar o fluxo natural da vida, não confundir estes dois papéis, é tudo que você precisa.
Se nos permitimos respeitar esse fluxo, tudo corre bem, porque a natureza segue seu caminho usual, o mais simples e desobstruído. Se você pretende interferir, isso pode ser feito, mas tendo em mente que um preço será pago.

Para dar um exemplo, uma interferência na linha biológica surge quando um guardião, por necessidade pessoal, assume uma reivindicação (mais ou menos explícita) de substituir o pai "aqueles que não o queriam, então eu estou aqui": a criança experimenta um ferida tão profunda que pode ter muita dificuldade em perdoá-la.
"Dar um pai" a uma criança que não o tenha com uma atitude predominante de negação de origens é equivalente ao fato, na sua percepção visceral, de que está realmente tirando isso dela.
O fardo da raiva que a criança pode gerar através desse rapto é frequentemente evidente.

Quando dar vida a uma criança, ou simplesmente um lar, se configura como um ato útil para satisfazer uma necessidade egoísta, para atender a necessidade de um adulto que é projetado para ter um filho, a situação é ruinosa e não depende do fato do casal ser homossexual ou heterossexual, ou mesmo um casal.
Qualquer atitude que não surja da disposição natural e clara de receber uma vida, sem acrescentar mais nada, é sempre um fardo para os ombros da criança que, para sustentar a demanda do adulto, corre o risco de carregar um fardo que não lhe pertence para o resto da vida.

A batalha pública pela "família natural" é uma luta entre tolos, porque a procriação humana é sempre natural, isto é, dada pela união de dois sexos diferentes (mesmo que facilitada pela tecnologia), e qualquer um pode ser revestido com o papel de adotante, sem que isso tenha que merecer o desprezo da "família não natural".
A crítica deve permanecer mais nos limites onde sempre esteve, isto é, focada na capacidade do indivíduo de saber como responder à necessidade da criança de viver em uma família que lhe dá abrigo, e essa tarefa de avaliação é o trabalho diário de psicólogos.

Em vez disso, hoje vemos que, na disputa entre progressistas e conservadores, a criança que afirma defender é completamente removida do quadro, puxada pelo cordão umbilical de um lado e do outro, transformada em um baluarte de discórdia no campo de direitos sociais.
De fato, se o debate mantivesse os papéis separados pelo que eles são, se as palavras apropriadas, pais e adotantes, fossem usadas honestamente, então questões irracionais como "casais homossexuais podem ser pais?" eles não seriam concebíveis.

O tema não relevante de "gênero", identidade de gênero, papéis sexuais e orientações sexuais tem sido misturado na sopa da mídia. Aqui, mais detalhes sobre o assunto: a homossexualidade está escrita nas leis biológicas da natureza.[ITA]

Se você gostou, siga a página aqui



Equipe de tradução e direção

5 Leis Biológicas Brasil

Siga o 5LB Magazine