## Última Hora ##
Um momento...
, ,

A máquina biológica reage para sobreviver. E se, em vez disso, eu quisesse começar a viver?

Somos como somos (gostemos ou não) porque somos o fruto da experiência de vida que temos percebido de maneira única e temos atravessado com as melhores estratégias adotadas, graças aos programas de sobrevivência, seja pelos herdados por milhões de anos de evolução como por aqueles adquiridos no primeiro ano de vida.
Então, quando reagimos de forma automática, fazemos de maneira inconsciente aproveitando esses programas que tem funcionado muito bem no passado (caso contrario não estaríamos aqui).

Os automatismos são úteis para a sobrevivência, mas, às vezes, alguns são ativados continuamente ao longo do tempo, manifestando-se a um nível físico-orgânico com os sintomas mais ou menos irritantes que comprometem a funcionalidade fisiológica. Até aqui, nada de novo.

Agora, reconhecer nosso próprio modo de reação limitante e lhe dar as boas vindas sem julgamentos morais, são dois passos básicos para ir além da nossa automação sacrossanta.
Somente com o reconhecimento e a aceitação de como paramos no mundo até agora, para sobreviver e nos fazer amar, podemos dar um passo adiante: explore essa parte do ser humano que pode tomar decisões diferentes na presença de si mesmo, não automaticamente ou como reação, mas sim, com conhecimento de causa e até mesmo de propósito.

O primeiro ponto de partida protege o indivíduo em particular, então não posso deixar de falar em primeira pessoa.
Começo a me auto observar enquanto vivo, como se eu fosse simultaneamente um ator e espectador de uma cena de teatro chamada “vida”.
Isso me permite não só hospedar o conteúdo do evento, mas também meu modo de reação: como me sinto fisicamente, emocionalmente, em meus pensamentos e alcanço, consequentemente, com habilidade e discernimento a melhor resposta para mim.
Não é uma coisa simples, porque os mecanismos automáticos de ataque e defesa apenas partem institivamente.
Mas o objetivo não é impedir que eles comecem - seria impossível visto que são mecanismo biológicos (lógicos para a vida): o ponto é reconhecê-los apenas quando começam e observar enquanto tenho controle sobre eles.
Posso então tentar escolher continuar no papel de vítima ou procurar uma estratégia de reação diferente e mais funcional.

Parece fácil... mas na realidade é quase impossível: quando tenho medo de perder algo ou alguém querido, ou quando sou acometida por um sentimento de profunda injustiça, ou quando tenho a sensação de rejeição e de não reconhecimento (apenas para dar alguns exemplos), sou literalmente sequestrada profundamente e, até mesmo quando consigo me observar por um segundo, sinto-me tão absorvida por esse estado de consciência alterada que não é fácil sair.

Para reconhecer nossos automatismos, devemos exercer nossa auto percepção. Um experimento simples, mas não imediato, pode ser a auto observação, baseado em situações simples e tranquilas, especialmente nos momentos de prazer e alegria (porque nesses episódios também somos sequestrados e vivemos de forma automática, como sonâmbulos).

Sim, é necessário um pouco de aplicação diária (alguns minutos) e antes de tudo você precisa estar disposto a fazê-lo.

Neste exercício diário, as 5LB são um instrumento extraordinário que nos dão uma direção mais clara e um mapa de leitura detalhado de como estamos nos movendo no mundo. Percebendo que estamos presos em um esquema de recidiva, através de sintomas físicos e sinais de inquietação, nos dá a possiblidade de intervir ativamente fazendo algo diferente, como uma simples observação, para modular a intensidade e duração da armadilha.

É evidente que tudo isso é sustentável se houver um propósito preciso e atraente que você deseja alcançar.

O convite não é mudar: não é possível racionalmente.
O ponto é aceitar-nos pelo que somos.
Porque graças ao que somos é que estamos aqui respirando ar. Somos perfeitos assim como somos... para sobreviver.
E se a sobrevivência não nos alcançar e quiséssemos, em vez disso, começar a viver?
Então, necessitamos fazer um esforço maior: nos observar e reconhecer em nossas reações automáticas diárias para abrir um espaço para nos ouvir.
Então, de alguma forma, você pode surpreender essa máquina complexa que nos leva a dar um passo a cada dia... talvez mudando a perspectiva da qual vemos o mundo, mesmo o impossível pode se manifestar.

Boa auto observação.

Se você gostou, siga a página aqui



Equipe de tradução e direção

5 Leis Biológicas Brasil

Siga o 5LB Magazine